DEA – Dog Erythrocyte Antigen

Cães possuem tipos sanguíneos, chamados de DEA, abreviação de Dog Erythrocyte Antigen traduzido para Antígeno Eritrocitário Canino. Assim como em humanos, a transfusão de sangue incompatível em cães pode levar a reações hemolíticas severas e até a morte.

O DEA 1 é um dos mais importantes, pois ele leva a reações mais graves e agudas em casos de transfusões incompatíveis. O cão pode ser negativo ou positivo para esse tipo, sendo assim, animais negativos podem receber apenas de outros animais negativos, enquanto animais positivos podem receber de animais positivos e negativos.

A tipagem não substitui a necessidade da prova de compatibilidade entre doador e receptor, mas a realização da tipagem para DEA 1 possibilita a escolha de um doador mais específico e diminui a possibilidade de incompatibilidade sanguínea.

FA e frações de Fosfatase Alcalina

A fosfatase alcalina (FA ou ALP) é uma enzima não específica. O principal uso da ALP é como um indicador sensível de colestase no cão (aumentará antes da bilirrubina), porém não é específico porque a presença de corticosteroides (exógenos ou endógenos) induz a produção desta enzima, com aumentos subsequentes na atividade sérica ou plasmática. No gato, porém, a ALP é um indicador específico da doença hepática, enquanto em animais de grande porte, a enzima não é muito útil.

A amostra de sangue deve ser colhida em um tubo soro ou heparina. A diminuição da atividade é rara, e o aumento indica alterações nos tecidos que produzem (ex. hepático, ósseo) ou uso de certos medicamentos.

As alterações ósseas não necessariamente são malignas, podendo ocorrer devido ao animal estar em fase de crescimento ou a regeneração de alguma fratura, mas alguns tumores ósseos também podem levar ao aumento da enzima. A colestase é a diminuição ou interrupção do fluxo biliar, sendo então uma alteração hepatobiliar podendo ser causado por hepatites, lipidose hepática e cálculo biliar. Já o uso de certos medicamentos corticoides como prednisona e dexametasona ou barbitúricos como o fenobarbital entre outros, em cães pode levar a uma maior produção da fosfatase.

Os itens citados acima são apenas algumas das possíveis alterações que o aumento da FA pode indicar, para se ter certeza da origem podem ser determinadas as frações de fosfatase alcalina, que é um exame capaz de diferir se o aumento tem origem óssea, induzida por medicamento ou hepatobiliar. De qualquer forma o veterinário responsável deve considerar a condição em que o animal se encontra para decidir qual a fonte provável do aumento da enzima.

 

Escrito por: Cecília Maieron – Estagiária Blut’s

Sangue Oculto

A pesquisa de sangue oculto nas fezes é feita para verificar se o está ocorrendo sangramentos pelo trato gastrointestinal do animal de forma pequena, a ponto de não alterar a aparência das fezes. Tais sangramentos podem ocorrer devido a úlceras, parasitas, neoplasias e inflamações, podendo levar a complicações como anemia e perda de peso. Não é recomendado realizar esse exame quando há sangramento evidente nas fezes.
São utilizadas fezes frescas ou refrigeradas, e para realizar esse teste deve ser evitado o consumo de certos alimentos e medicamentos, pois podem interferir no resultado, entre esses alimentos estão carne (vermelha ou branca), brócolis, cenoura, beterraba, mamão e outros alimentos ricos em agentes antioxidantes. Além de medicamentos como anti-inflamatórios e suplementos de ferro. Dessa forma o recomendado é manter o animal com a mesma dieta — evitando os alimentos citados, por 3 dias anteriores ao exame. Outros elementos que podem interferir no exame é a ingestão de sangue devido à lambedura de algum machucado ou secreção sanguinolenta.
Resultados positivos indicam a presença do sangramento e são dados de forma semi quantitativa de acordo como a “força” da reação (traços a 3 +), enquanto resultado negativo não significa que não há sangramento, uma vez que o mesmo pode ser intermitente. A interpretação do resultado e as devidas indicações sobre alteração da dieta do animal ou da retirada de medicamentos para realizar esse exame devem ser feitas por médico veterinário de confiança.
Texto por: Cecília Maieron

Exame de Cálcio em Animais

 A falta ou o excesso do cálcio representam um risco a vida do animal e podem ser causadas por diversos fatores, como patologias renais ou endócrinas e dieta inadequada.

Existem dois exames que medem a concentração sanguínea, também chamada de sérica: o cálcio e o cálcio ionizado. A concentração de cálcio quantifica o total de cálcio que existe na circulação, tanto a porção livre quanto a que fica ligada a outras moléculas que em sua maioria são proteínas como a albumina.

 

Enquanto o cálcio ionizado mede apenas a porção livre do cálcio, chamada de ionizada, que é a porção que participa ativamente dos processos corporais e consiste em 45% do cálcio total. Esse exame é mais oneroso, porém é mais específico e é realizado na Blut’s através de eletrodo íon-seletivo (potenciometria).

 

Em animais sadios as duas porções são proporcionais, porém alguns distúrbios podem causar o aumento/queda de um ou ambos. Cabe ao médico veterinário responsável decidir qual é dos exames trará dados mais valiosos para o quadro do animal.