USO PROLONGADO DE CORTICOIDES

Cortisol é um hormônio esteroide produzido naturalmente pelo corpo nas glândulas adrenais de forma constante sendo benéfico ao organismo, os corticoesteroides são medicamentos sintéticos derivados deste hormônio. Esses fármacos possuem ação anti inflamatória e capacidade de modular o sistema imune fazendo imunossupressão, sendo usado como tratamento em doenças auto-imunes, alergias, inflamações, entre outras patologias.
Muitos desses tratamentos necessitam ser feitos por longos períodos, e nesses casos os corticoesteroides levam a alterações no organismo animal, como aumento de peso, abaulamento abdominal, queda de pelo, aumento no apetite e na ingestão de água. Tais alterações culminam no aparecimento de patologias como pancreatite, diabetes, úlceras e outras doenças renais ou hepáticas.
Por isso é recomendado que sejam realizados exames rotineiramente enquanto se faz o uso de corticoides, como ultrassonografias abdominais e check-up sanguíneos, especialmente a verificação das enzimas alanina aminotransferase (ALT), fosfatase alcalina (FA) e gama-glutamiltransferase (GGT), para investigar o funcionamento do fígado.

Exame de Cálcio em Animais

 A falta ou o excesso do cálcio representam um risco a vida do animal e podem ser causadas por diversos fatores, como patologias renais ou endócrinas e dieta inadequada.

Existem dois exames que medem a concentração sanguínea, também chamada de sérica: o cálcio e o cálcio ionizado. A concentração de cálcio quantifica o total de cálcio que existe na circulação, tanto a porção livre quanto a que fica ligada a outras moléculas que em sua maioria são proteínas como a albumina.

 

Enquanto o cálcio ionizado mede apenas a porção livre do cálcio, chamada de ionizada, que é a porção que participa ativamente dos processos corporais e consiste em 45% do cálcio total. Esse exame é mais oneroso, porém é mais específico e é realizado na Blut’s através de eletrodo íon-seletivo (potenciometria).

 

Em animais sadios as duas porções são proporcionais, porém alguns distúrbios podem causar o aumento/queda de um ou ambos. Cabe ao médico veterinário responsável decidir qual é dos exames trará dados mais valiosos para o quadro do animal.

O que é Citologia?

O que é Citologia?

Citologia é o estudo das células. A equipe Blut’s faz isso o tempo todo na avaliação do hemograma, da medula óssea, de líquidos cavitários, e de tecidos em geral.

Quando um paciente apresenta um aumento de volume na pele, tecido subcutâneo, tecido mamário, ou alguma alteração em algum outro órgão interno (observada através de exame de imagem), o clínico pode sugerir a avaliação citológica do local, ou seja, uma biópsia para avaliação das células.

A avaliação citológica de tecidos oferece uma avaliação rápida da patologia tecidual e tem a capacidade de, muitas vezes, oferecer um diagnóstico (ex. se é um câncer ou não), auxiliar no prognóstico (maligno ou benigno), auxiliar nas intervenções terapêuticas diretas (ex. tratar, observar ou fazer cirurgia) e sugerir testes diagnósticos adicionais (ex. histopatologia, cultura bacteriana ou fúngica).

A capacidade da amostra de atingir todos esses objetivos depende de vários fatores como: técnica de coleta adequada, preparação e coloração das lâminas, bem como da natureza e distribuição da lesão e da habilidade / experiência do citologista.

Nos casos mais simples, um raspado de pele, um suabe otológico ou vaginal ou a citologia por aspiração com agulha fina serão as técnicas escolhidas. Em outros casos, será necessário a aspiração por agulha fina guiada por ultrassom, ou até mesmo com acompanhamento de anestesia geral. E ainda existem os casos que apenas a citologia não será possível ou não será o suficiente para determinar o diagnóstico. Seja qual for a situação, a equipe Blut’s pode auxiliar o médico veterinário a decidir a melhor forma de diagnóstico para o paciente.

Além disso, algumas lesões não podem ser diagnosticadas citologicamente, pois pode ser necessária a avaliação da arquitetura tecidual ou quando não há esfoliação das células investigadas. Nestes pacientes, a histopatologia é necessária.